domingo, 15 de julho de 2018

Despi-me

Despi-me
por longas horas
olhos abertos no escuro
imagens oníricas sobre o teto.

Meu corpo
a rota principal
diante do espelho perdi a vergonha
cicatrizes de um amor inacabado.

Transformei-me em narcisista
mergulhei em paixões sem fim
mudei em cada esquina.

No ápice do meu vigor juvrnil
versos avulsos nos muros
pintei o céu com os meus sentimentos.

Murillo Kollek
11/11/2017

sábado, 14 de julho de 2018

Tanka II

Sacia a fome
devorando as latas
sobras da mesa
     cardápios refinados
     vinho branco nos pratos.

Murillo Kollek
07/09/2017

sábado, 7 de julho de 2018

Por que se foram?

Por que se foram?
          Têm dias
não há vontade de abrir a porta
vê o céu tão escuro
ficam as lembranças
     das risadas
          histórias
          dores
saudade de quem se foi
então o silêncio da casa
os livros não se falam mais
     cadeiras vazias
     sala muda
no quarto uma música para distrair
mas ainda há esperança
     de perder o medo
de encontrar alguém
disposta a deixar a porta aberta
     mostrar novos horizontes
enquanto esse amor não chega
     escondo meu medo
deixo a janela semi aberta
     e pelas frestas
sinto a brisa inundar meus olhos 
raios de esperança transformam-se em dúvidas
dúvidas ultrapassam os limites do medo
medo de amar resiste a paixão
     assim duas almas
          isolam-se
por medo de se amarem.

Murillo Kollek
15/04/2017

sábado, 30 de junho de 2018

Ontem descansava sobre o algodão

Ontem descansava sobre o algodão
a alegria parecia não ter fim
basta o desvio do olhar
flechas venenosas adentraram no coração.

Onda magnética arrebata a paz
outrora estava em águas cristalinas.

Têm dias que nuvens tenebrosas
pairam sobre minha cabeça.

Flashes de segundos
o controle incontrolável da ira.

     Vingança
          revolta
     ódio

Têm dias que o seu beijo
amanhece tatuado no meu corpo
esqueço as nuvens tenebrosas.

     Flashes de segundos
     descanso no seu peito para sempre.

Murillo Kollek
26/03/2017

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Insônia

Uma cama
dois corpos
amanheceu a rotina

Murillo Kollek
27/06/2018